Tag: melanoma

O que sabemos sobre câncer de pele?

Há dois principais tipos de câncer de pele, os não-melanoma, geralmente das células basais ou das escamosas, e o melanoma, originário de células produtoras de melanina. Os tipos mais comuns do câncer de pele não melanoma são o basocelular (carcinoma de células basais) e o espinocelular (carcinoma de células escamosas). Já o câncer de pele melanoma têm origem exclusiva nos melanócitos e se descoberto em seus estágios iniciais, é quase sempre curável (1).

Incidência do câncer de pele

De acordo com as estimativas mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pele configura-se como o mais frequente em todas as populações. Ele se apresenta basicamente sob duas formas, o melanoma e o não melanoma. Em relação ao câncer de pele não melanoma esperam-se 80.850 novos casos em homens e 94.910 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 81,66 casos novos a cada 100 mil homens e 91,98 para cada 100 mil mulheres. Quanto ao melanoma, sua letalidade é elevada; porém sua incidência é baixa (3 mil casos novos em homens e 2.670 casos novos em mulheres).

Melanoma
Em relação ao câncer de pele Melanoma, as maiores incidências são esperadas nas regiões mais desenvolvidas do país: 40% dos casos novos são esperados nas regiões Sudeste, 34% na Região Sul, 17% na Região Nordeste, 6% na Região Centro-Oeste e 3% na Região Norte.
As taxas brutas de incidência por 100.000 habitantes se comportaram da seguinte forma: Em homens: 6,96 na Região Sul, 2,84 na Região Centro-Oeste, 2,83 na Região Sudeste, 2,02 na Região Nordeste e 0,84 na Região Norte. Em mulheres: 6,50 na Região Sul, 2,53 na Região Sudeste, 2,09 na Região Centro-Oeste, 1,36 na Região Sudeste e 0,65 na Região Norte.
O Estado do Rio Grande do Sul tem a maior taxa bruta de incidência, com 8,02 casos esperados para cada 100.000 homens e 7,06 casos para cada 100.000 mulheres e o Estado do Amapá, por sua vez, tem a menor taxa de incidência, com cerca de 0,20 casos a cada 100.000 homens e 0,00 casos para cada 100.000 mulheres.

Não Melanoma
O câncer de pele não Melanoma apresenta comportamento similar, as maiores incidências são esperadas nas regiões mais desenvolvidas do país: 55% dos casos novos são esperados nas regiões Sudeste, 19% na Região Sul, 14% na Região Nordeste, 9% na Região Centro-Oeste e 2% na Região Norte.
O câncer de pele não melanoma é o primeiro mais incidente em homens nas Regiões Sul (138,75/100 mil), Centro-Oeste (114,71/100 mil) e Sudeste (92,86/100 mil). Nas Regiões Nordeste (42,48/100 mil) e Norte (28,89/100 mil), encontram-se na segunda posição. Nas mulheres, é o mais frequente em quatro Regiões, com um risco estimado de 134,19/100 mil na Região Sudeste, 102,71/100 mil na Região Centro-Oeste, 93,58/100 mil na Região Sul e 44,12/100 mil na Região Nordeste. Já na Região Norte (23,12/100 mil), ocupa a segunda posição.
O Estado de Santa Catarina tem a maior taxa bruta de incidência para homens com cerca de 186,49 casos para cada grupo de 100.000 homens e para o Estado do Espírito Santo estima-se 165,56 casos para cada 100.000 mulheres. O Estado do Amapá, por sua vez, tem a menor taxa de incidência, com cerca de 11,52 casos a cada 100.000 homens e 0,00 casos para cada 100.000 mulheres.

Mortalidade por câncer de pele
Para câncer de pele Melanoma (C43) no ano de 2015, o Brasil registrou 1.794 óbitos, sendo 1.012 em homens e 782 em mulheres. Foram constatados, aproximadamente, 5 mortes por dia em decorrência de melanoma. Para câncer de pele Não Melanoma (C44) no ano de 2015, o Brasil registrou 1.958 óbitos, sendo 1.137 em homens e 821 em mulheres (2).

Levando em conta ambos os tipos, o câncer de pele foi a causa principal de morte em 3.752 indivíduos. Segundo o Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), idosos, homens e moradores da Região Sul do país são as principais vítimas do câncer de pele. Do total de mortes em 2015, 57% eram homens e 75% tinham mais de 60 anos. No Sul, a taxa de mortalidade por 100.000 habitantes representou quase o dobro da registrada para o Brasil (3,17 e 1,83 respectivamente) (2).

Fatores de Risco
O fator de risco mais importante é a exposição à radiação ultravioleta (UV), presente nos raios solares e usada nas unidades de bronzeamento artificial (câmaras de bronzeamento). O risco de desenvolver câncer de pele é proporcional à exposição acumulada de raio UV; a genética e a cor da pele também influem, sendo mais afetadas as pessoas de pele clara e que não se bronzeiam com facilidade, que têm cabelos loiros ou ruivos e olhos claros (3).

O INCA elaborou 5 principais dicas para se proteger do câncer de pele: 1. Evitar exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h; 2. Procurar lugares com sombra; 3. Usar proteção adequada, como roupas, bonés ou chapéus de abas largas, óculos escuros com proteção UV, sombrinhas e barracas; 4. Aplicar na pele, antes de se expor ao sol, filtro (protetor) solar com fator de proteção 15, no mínimo; 5. Usar filtro solar próprio para os lábios.

Essas e outras informações podem ser encontradas no folder especial do INCA “Câncer: a informação pode salvar vidas – Câncer de pele: vamos falar sobre isso?” http://bit.ly/2BAEHNC

Fonte dos dados:
Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância Estimativa 2012, 2014 e 2016: Incidência de Câncer no Brasil.

Referências:
1. A.C. CAMARGO CANCER CENTER. Pacientes e Tudo Sobre o Câncer. Tudo sobre o Câncer. Pele não melanoma [website]. Disponível em: <http://www.accamargo.org.br/tudo-sobre-o-cancer/pele-nao-melanoma/44/>. Acesso em: 01/12/2017.
2. BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil ? DataSUS. Sistema de Informação em Mortalidade. TabNet [website]. Disponível em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6937>. Acesso em: 01/12/2017.
3. INSTITUTO VÊNCER O CÂNCER. Tipos de Câncer. Melanoma e outros câncer de Pele. O que é [website]. Disponível em: <https://www.vencerocancer.org.br/tipos-de-cancer/melanoma-e-outros-canceres-de-pele/>. Acesso em: 01/12/2017.

O que é o “Dezembro Laranja”?

Certamente você já deve ter ouvido falar em Outubro Rosa ou Novembro Azul (respectivamente ligados ao câncer de mama e da próstata), mas e #DezembroLaranja, você sabe o que significa? Para combater e prevenir o câncer de pele, o de maior incidência no Brasil¹ e no mundo, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) criou a campanha que, em 2016, completa o terceiro ano de realização.

Não à toa o mês escolhido para a realização da campanha é dezembro pelo fato de marcar o início do verão em boa parte do país e período onde a população fica exposta ao sol por mais horas em relação a outras épocas do ano.

Durante todo esse mês, a população brasileira é convidada a se engajar na luta de prevenção ao câncer de pele e para participar é fácil: basta vestir-se de laranja, decorar seu ambiente de trabalho com a cor do mês ou simplesmente passar adiante as informações da campanha para o maior número de pessoas. O Dezembro Laranja reforça a necessidade de atitudes fotoprotetoras de fácil execução no dia a dia do brasileiro com o objetivo de diminuir as altas taxas de incidência da doença. Em 2015, mais de 195 milhões de pessoas foram impactadas com as ações da campanha.

Entendendo o câncer de pele

Existem dois grupos distintos de câncer de pele: o não melanoma, mais frequente e menos agressivo, e os melanomas, mais agressivos, porém raros.

O melanoma da pele é menos frequente do que os outros tumores de pele, porém sua letalidade é mais elevada. Acomete principalmente os caucasianos* que moram em países com alta intensidade de radiação ultravioleta. No entanto, esse tipo de câncer afeta todos os grupos étnicos em alguma proporção. A Austrália, onde a população é predominantemente branca e tem, em média, seis horas de exposição diária ao sol, é o país com a maior ocorrência de melanoma. Contudo, vale ressaltar que, apesar da alta letalidade, se detectados em estádios iniciais, os melanomas são curáveis e seu prognóstico é considerado bom.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2014, foram registrados:

Pele melanoma ? 5.890 casos e 1.547 mortes = 26% de chance de morrer ao contrair a doença. (Mortalidade: 7,6 mortes por 1.000.000 habitantes) 

Pele não melanoma ? 182.130 casos e 1.769 mortes = 1% de chance de morrer ao contrair a doença. (Mortalidade: 8,7 mortes por 1.000.000 habitantes) 

A despeito de seu impacto para a saúde pública e das altas taxas de incidência, o câncer de pele não melanoma permanece subnotificado pela maioria dos registros de câncer do mundo. No Brasil, figura como o tumor mais incidente em ambos os sexos e é bastante provável que exista um sub-registro devido ao subdiagnóstico**.

Sempre Alerta

Por ser um tipo de câncer altamente tratável e com boas chances de cura, as pessoas tendem a subestimar a prevenção ou qualquer sinal de mudança na pele. Porém, o cuidado e a atenção são necessários para que o indivíduo perceba que alguma coisa não está indo bem.

O câncer de pele pode se manifestar como uma pinta ou mancha, geralmente acastanhada ou escurecida, como também uma ferida que não cicatriza. Os especialistas costumam divulgar a chamada regra do ABCDE, que ajuda na suspeita de uma lesão maligna e sinaliza que um dermatologista deve ser procurado.

A= assimetria da lesão

B= bordas irregulares

C= coloração alterada

D= diâmetro maior que 6 mm

E= evolução da lesão

Ações de prevenção primária que estimulem a proteção contra a luz solar são efetivas e de baixo custo para evitar o câncer de pele, inclusive os melanomas. A educação em saúde é outra estratégia internacionalmente aceita. O indivíduo deve procurar o dermatologista ao primeiro sinal de surgimento de manchas ou sinais novos na pele, ou a mudança nas características desses, reconhecendo assim possíveis alterações precoces sugestivas de malignidade.

Tenho câncer de pele, e agora?

Em caso de melanoma, a cirurgia é o tratamento mais indicado. A radioterapia e a quimioterapia também podem ser utilizadas dependendo do estágio do câncer. Quando há metástase, o melanoma é incurável na maioria dos casos. A estratégia de tratamento para a doença avançada deve ter como objetivo aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Os tumores classificados como não melanoma podem ser de diferentes linhagens, mas os mais frequentes são o carcinoma basocelular e o carcinoma epidermoide e, nestes casos, a cirurgia de retirada completa da lesão, com uma margem confiável de diâmetro, é o tratamento mais indicado.

Mais de 4 milhões de brasileiros já tiveram câncer de pele, revela pesquisa inédita

Este ano a SBD junto com o Instituto Data Folha, divulgou uma pesquisa inédita com 2.069 pessoas, em 130 municípios, que mostra a radiografia do hábito de exposição solar do brasileiro. A pesquisa traz dados alarmantes:

  • Mais de 100 milhões de brasileiros se expõem ao sol de forma intencional nas atividades de lazer ? 70% da população acima de 16 anos;
  • 63% dos brasileiros não usam protetor solar no seu dia a dia = mais de 95 milhões de brasileiros não se protegem de forma regular;
  • 6 milhões de brasileiros adultos (mais de 4% da população) não se protegem de forma alguma quando estão na praia, piscina, cachoeira, banho de rio ou lago;
  • Dos entrevistados que têm filhos até 15 anos, 20% desses jovens não se protegem de forma alguma nas atividades de lazer. Se a análise incluir as classes D/E, esse percentual sobe para 35%.

Dados no INCA estimam que, em 2016, serão contabilizados cerca de 176 mil novos casos de câncer de pele não melanoma no Brasil e a Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que, no ano de 2030, existirão 27 milhões de casos novos de câncer, 17 milhões de morte pela doença e 75 milhões de pessoas vivendo com ela. O maior efeito desse aumento incidirá em países em desenvolvimento. No Brasil, o câncer já é a segunda causa de morte por doenças, atrás apenas das do aparelho circulatório.

Fonte dos dados:
SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Campanha – Dezembro Laranja. Disponível online em: http://www.sbd.org.br/dezembro-laranja-movimento-da-sbd-na-prevencao-ao-cancer-da-pele/
INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Estimativa 2016 – Incidência de Câncer no Brasil.
INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Estimativa 2014 – Incidência de Câncer no Brasil.
INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Estimativa 2012 – Incidência de Câncer no Brasil.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA). Disponível online em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php>
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema de Informações Hospitalares (SIH). Disponível online em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php>

Referências:
1. OBSERVATÓRIO DE ONCOLOGIA. Raio-x do Câncer (Estimativa de Incidência 2016-2017). Disponível online em: <http://observatoriodeoncologia.com.br/raio-x-do-cancer-incidencias-2016-2017/>

Notas:
* Diz-se das pessoas de pele branca que especialmente apresentam descendência europeia. O termo se deu origem porque a maioria dos indivíduos de cor branca surgiram na região do Cáucaso, que fica próximo ao Mar Negro.
** Implica em um não reconhecimento de uma doença, impossibilitando a tomada de medidas terapêuticas.